terça-feira, 16 de setembro de 2014

Para mim são relíquias!

Para algumas pessoas o que hoje irei mostrar serão apenas velharias; algumas até poderão achar que é lixo; para outras serão relíquias. Para mim, além de relíquias, são uma espécie de tesouro, que tive a honra de agora herdar. Foram oferecidas a uma prima casada com um dos meus primos em 1º. grau, cuja avó, a Senhora D. Haydéa, dona deste valioso espólio, sempre foi estimada por mim como uma verdadeira avó.
Foi a mãe da tia que ensinou a minha mãe a fazer o casaco de tricô que começa com 1 ponto e acaba com 1 ponto, a que tomei a liberdade de chamar modelo Teresinha, por lhe ter introduzido algumas alterações e nunca ter visto nenhum igual, antes de o mostrar no meu outro blogue. Já foi reproduzido por algumas amigas, o que me dá muito gosto.
Uma revista Rakan de 1938… 1 ano depois do casamento dos meus pais!
Algumas revistas de ponto de cruz e bordado búlgaro, que poderei mostrar em pormenor se for do interesse de alguém. Nelas aparecem muitas barrinhas ótimas para napperons, panos de tabuleiro ou toalhas. É só pedir… e eu fotografo e mostro!
Várias caixinhas também antigas, que eu irei restaurar, contêm muitas linhas de bordar, fitas, rendas finas, golas antigas de renda de Guipur e uma almofada verde de linho bordada a Richelieu com enorme perfeição… pronta a aplicar!
Até tenho agora agulhas de tricô iguais às que a minha mãe me colocou nas mãos… não me lembro quando… mas certamente há uns 60 e tal anos!
Já está tudo a postos para viajar daqui de Ponta Delgada até Coimbra! A juntar ao que herdei da minha mãe, por ser a única filha, tenho de arranjar um móvel para guardar, em perfeitas condições, tão precioso legado.
As minhas três jovens sucessoras diretas encarregar-se-ão de escolher o que quiserem utilizar já e, mais tarde, espero que a geração seguinte ainda faça o mesmo!...
E acabo o texto com uma frase da minha tia-avó, Teresa, que nasceu em 1874 e com quem tive o privilégio de conviver até aos meus 17 anos:

“100 anos que eu viva…
 não conseguirei fazer tudo o que tenho na mente!”

UM ABRAÇO

27 comentários:

  1. Olá Terezinha...
    Que linda essa postagem!
    Me emocionei ao ver as fotos
    e com a mensagem final...
    Parabéns!
    Beijo
    Ivete

    *

    ResponderEliminar
  2. São relíquias , sem dúvida!
    Pedacinhos de amor, de uma vida!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. Oi Teresinha... com certeza são relíquias, são tesouros maravilhosos, guarde-os mesmo e depois deixe de herança, rsrsrs beijinhosss!!!

    ResponderEliminar
  4. Teresinha,

    Boas recordações, gostei das caixas de charutos. hehe

    beijo
    Marcos

    ResponderEliminar
  5. Ah!!! Que lindo!!!
    Tudo as caixinhas, rendas, fitas, que preciosidade.São relíquias, histórias da sua família. Devem ser mesmo preservadas e passadas a diante, feito jóias!!!
    Beijokas, Rê!!!

    ResponderEliminar
  6. Teresinha, que SORTUDA!!!
    Herdaste mesmo um verdadeiro tesouro!
    Lindas revistas, caixas, e as agulhas?...um mimo!
    Gostei imenso da última frase! Ás vezes penso nisso.
    Beijinhos de saudades

    ResponderEliminar
  7. Bem Teresinha...herdar um tesouro assim...não é sorte de muitas!
    Fantástico poder usar esse material todo...pois virá por certo...carregado de emoções!
    Bom regresso...e até um dia destes!!! BJ

    ResponderEliminar
  8. Oi,Terezinha!
    Amei ver estas relíquias!
    Adoraria ver algumas receitas desses barradinhos,e se não for pedir demais,mande no meu email!
    Ah...as agulhas antigas de tricô são as melhores,tenho uma fininha que que foi da minha avó
    e está perfeita!Obrigada por tudo ,Teresinha!!!
    Gosto imenso do seu blog!
    Cristina Peres RJ Brasil

    ResponderEliminar

  9. Que bom essas preciosidades terem sido herdadas por quem lhes dá o devido valor. Nem sempre acontece! A senhora que deixou esse legado valioso, lá onde estiver, há de estar sorrindo de satisfação vendo suas coisinhas apreciadas e guardadas com mimo para a geração seguinte.
    A frase é própria da pessoa cujas mãos nunca estão sem fazer nada, e ainda assim, nunca conseguem fazer tudo que gostariam...
    Cuida bem desse tesouro, Teresinha!
    Abraços,
    Teresa
    teresa_0001@hotmail.com

    ResponderEliminar
  10. Teresinha, são relíquias, mas "olhe" que velharias não são lixo, podem muito bem ser em alguns casos um livro aberto sem letras!
    Todas estas relíquias que aqui traz até nós, marcaram gerações e que bom que as suas sucessoras vão tomar conta e as vindouras em principio, idem. Muita coisa duma Era que marcou uma reviravolta nos modos de viver está precisamente a desaparecer porque as novas gerações não se importam por preservar as relíquias, os tesouros, do passado, passado recente, note-se!
    Adorei tudo e terminou de forma "Divinal". Grande frase da sua tia-avó! Beijinhos e boa viagem de volta.

    ResponderEliminar
  11. Ola lindas recordações e não são velharias ,por vezes podemos lhes dar muito bom osso ,ou então elas nos trazem de volta lindos momentos de nossa vida, adorei a mensaguem final bejs boa semana.

    ResponderEliminar
  12. Olá Terezinha, recebeste um tesouro, que com certeza irás utilizar tão logo retornes à Coimbra , assim como redistribuir às pessoas queridas da família. Achei belíssimos os bordados búlgaros, de um colorido vibrante, e me encantei que as suas relíquias vieram guardadas em uma caixa de charutos aqui do Brasil.Sua tia-avó tinha toda razão, vivemos pouco para realizarmos tudo o que temos em mente. Mas vamos aproveitar bem o tempo que temos, cultivando boas amizades , sentimentos , família e lavorando sempre. Beijos.

    ResponderEliminar
  13. Olá

    Que preciosidades, parabéns, guarde-as bem.

    Manuela

    ResponderEliminar
  14. Relíquias sem dúvida alguma. Amei essas rendas, assim como a almofada de linho verde. Um tesouro. Também tenho algumas revistas antigas de ponto cruz, gosto muito. Grande frase da sua tia-avó

    ResponderEliminar
  15. Perante isto que dizer, a nao ser saborear o que diz, pois sentimentos pessoais, daqueles atados com nagalhos fortes que cada qual sente a dimensao...na dor vem esperanca, no partir renovacao e nesta a continuidade que a minha amiga felizmente tem.
    Uma senhora rica de e do bom, ja aqui o disse, uma pessoa, espelho de alma nos tesouros de espiritos puros.
    Abencoada familia que partilha deste modo, momentos ...
    Um beijo, minha amiga.

    ResponderEliminar
  16. Adoro ver estas preciosidades.....o passado dos nossos trabalhos manuais! Para mim é uma riqueza, um privilégio mesmo ver estas peças... Se puder colocar alguma coisa de crochet antigo, vou gostar e apreciar muito....
    Salete Duarte

    ResponderEliminar
  17. Adorei os esquemas de ponto de cruz, sou ´fascinada nesse ponto. E aquelas agulhas são lindas. Um verdadeiro tesouro.
    Na vida o que fica é o AMOR que temos uns pelos outros, porque no final todos partimos, essas peças são a lembrança de um AMOR INCONDICIONAL. beijinhos

    ResponderEliminar
  18. Teresinha, isso são relíquias, tesouros que serão bem cuidados, eu prezo muito essas
    coisas que fizeram parte da vida dos nossos antepassados, beijo amiga

    ResponderEliminar
  19. Olá, Teresinha.
    Muito obrigada pelo comentário carinhoso!
    Engraçado que também possuo um monte de revistas, algumas quase desfeitas, que encontrei na garagem dos meus pais e que arquivo na minha lista de intenções para um dia concretizar.
    Continuação de boas férias nos Açores!
    Estou com muita vontade de revisitar esse local único. Talvez para o ano!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  20. Olá Teresinha,

    são verdadeiras preciosidades.
    Adorei a frase da sua tia-avó, revejo-me nela.

    Beijinhos
    São

    ResponderEliminar
  21. Ce sonts des vrais trésors et des beaus souvenirs bisous Marie-Claire

    ResponderEliminar
  22. Acho que não entrou o meu comentário.
    dizia eu mais ou menos assim:
    Tesouros, simplesmente tesouros.
    as rendas, os trabalhos inacabados, as agulhas as caixas, pequenos grandes tesouros.
    - p.s não sabia que este tipo de cadeiras eram assim tão antigas. Beijinhos

    ResponderEliminar
  23. Teresinha, sou sua fã no outro blog e agora também neste, já me ajudou bastante naos casaquinhos para os bebes obrigada, em relação a esta reliquias, que reliquias, que tesouros, eu à um ano atras herdei da minha sogra algumas linhas nº 60 lembra? para crochet, e algumas linhas de bordar muito antigas, são os meus tesouros. se tiver naperons gostaria de fazer uns para o meu quarto agradecia-te muito um bjo desta portuguesa no Cartaxo muito obrigada por partilhar estes tesouros margarida.farinha@gmail.com

    ResponderEliminar
  24. Essas caixinhas têm coisas mesmo preciosas.

    ResponderEliminar
  25. Bom dia Teresinha

    Emora tardiamente deixo aqui o meu apreço por este post que é a minha cara. Quem me dera que tais relíquias fossem minhas.
    Eu há bastante tempo deixei aqui um comentário e agora vejo que não o encontro. Por vezes faço comentários muito extensos e perdem-se. Não sei quais as razões.
    Deixei também um comentário no seu caril de camarões mas não me parece que tenha entrado. mais tarde voltarei para confirmar.
    Gostei da homenagem à sua mãe.
    Bom domingo.

    Isabel Tiago

    ResponderEliminar
  26. Olá, bom dia! Estava procurando por modelos de vestidos para aplicar uma gola antiga de renda que herdei e achei seu blog. Me encantei com as relíquias e me interessei pelo casaco de tricô que começa e acaba com um ponto. Pode me passar a receita? Meu e-mail é cacisassi@gmail.com Meu nome? Caci Maria Sassi. Agradeço muito!

    ResponderEliminar