sábado, 13 de dezembro de 2014

A minha homenagem ao meu falecido irmão Hugo

Se não tivesse sido morto na estúpida guerra de Angola,
o meu saudoso irmão completaria hoje 71 anos.
E este é um desenho a lápis de carvão, que fiz, naquela altura
e que aqui hoje vos quero mostrar.
Não tenho comigo a fotografia que assim ampliei;
está nos Açores, mas acredito que, quem o conheceu, 
avaliará melhor esta minha homenagem ao meu
saudoso e querido irmão Hugo,
este jovem que foi morto 4 dias antes de completar 23 anos.
Na mesma emboscada tombaram mais 15 jovens,
causando o pior desgosto da vida das suas mães, 
inundando o coração de todos os familiares
com desgosto tão profundo. 
 Foi-lhe roubada a possibilidade de realizar os seus sonhos...
já era um artista, 
mas se tivesse sobrevivido ao brutal golpe do fascismo,
creio que hoje seria uma personalidade destacada.
Em tão curto tempo que viveu, pintou inúmeros quadros
e escreveu um conto e vários poemas.
Em S. Miguel, onde nasceu, tem um grande amigo
que lhe tem dado o valor que acho justo,
homenageando-o com exposições e publicações dos seus poemas.
Não podia deixar de dizer que esse amigo é 
Victor Lima Meireles,
que também é autor de belíssimos poemas 
e contos editados em livros,bem como de várias telas 
que nos mostram um grande artista polifacetado.
Hoje estamos juntos... lembrando o Hugo, 
o menino de sua mãe,
que agora jaz a seu lado!...

10 comentários:

  1. Por vezes, nesta vida, a vida rouba aqueles que mais amamos. Acredito na sinceridade das tuas palavras em relação ao teu irmão Hugo, que tão cedo foi ceifado, interrompendo a sua jornada. Ninguém devia morrer tão jovem, estupidamente, numa guerra que a ele nada dizia, já que a sua sensibilidade artística e o seu projeto de vida, era outro. Abraço.

    Victor

    ResponderEliminar
  2. Que dizer, minha sincera amiga.
    Coisas vossas e pessoais e respeito de nos...
    Registou em lapis de carvao e de oiro no coracao.

    ResponderEliminar
  3. Os nossos mortos nunca morrem verdadeiramente para nós, caminharão ao nosso lado, nos nossos passos e no nosso coração até que definitivamente com eles nos findemos.
    Muito triste a a vida tão curta do seu irmão, e de tantos outros na guerra colonial. Felizmente, e como seria de esperar quem o conheceu nunca o esqueceu. Viver também é perdurar na memória de quem nos ama.
    Um post comovente. E gostei muito do retrato que dele fez. A arte parece que estaria nos genes de ambos.
    xx

    ResponderEliminar
  4. Teresinha, estou emocionada e triste com a sua perda....Fico imaginando perder um irmão, pois tenho um !!!, mas mesmo imaginando não consigo alcançar a extensão da sua perda.....As guerras são fomentadas por aqueles que ficam longe delas...e quem morre são os inocentes....Pense nele com carinho, pois ele estará ouvindo e vendo...Assim acredito!!!

    ResponderEliminar
  5. Tanta gente morreu lá para nada. Deu o corpo e a alma por esta nação. que ele esteja com Deus.
    O meu irmão tambem esteve em Angola já no final da estúpida guerra ( todas as guerras são estúpidas..) felizmente nunca nada lhe aconteceu.
    Beijinhos querida e um bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  6. ⋯ ✰ ⋯
    ⋰ ⋮ ⋱

    O Natal está chegando... o amor, chamado Jesus, nos pede permissão para entregar toda a paz e felicidade que nos são destinadas.


    FELIZ NATAL!
    BOAS FESTAS!
    °。✿⊱。。

    ResponderEliminar
  7. Tersinha, uma linda homenagem ao seu mano, que infelizmente faleceu naquela guerra de de triste memoria.
    Que descanse em paz!
    Beijinhos,
    Ailime

    ResponderEliminar
  8. Só hoje é que li a homenagem linda que fez ao seu irmão. Fiquei comovida e nem quero sequer imaginar a dor que os seus pais devem ter tido.
    Resta continuar a lembrá-lo sempre com amor e carinho :)
    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Passando apenas para desejar um Feliz 2015, Teresinha. Com muita saúde!
    xx

    ResponderEliminar